Coisas que já me ensinou o João

Faz hoje ano e meio desde que nasceu, já me ensina coisas desde que estava na minha barriga. Aqui fica uma pequena lista.

Coisas que já me ensinou o João:

  • Acordar é espetacular
  • Andar fora de casa é melhor que estar em casa
  • Ir a sítios novos é o ponto alto de qualquer dia
  • É preciso ter calma e levar um dia de cada vez
  • O amor resolve quase tudo
  • A melhor coisa do mundo é um abraço
  • Há alturas que não dá para responder a mensagens, telefonemas, emails, nada.
  • É importante cuidar do nosso futuro e do nosso presente: o passado não existe
  • Nunca é uma má altura para brincar, cantar ou rir
  • Enquanto mãe, não sou tão boa como gostaria nem tão má como temia
  • Aproveitar as situações é simples: se não dá para ir lá para fora, correr à volta da mesa, fazer legos; se não dá para continuar a andar de carro, brincar com a areia. Cada situação é tão boa que às vezes dá pena de sair, mas se tem mesmo de ser, aproveitamos a próxima coisa que apanha a nossa atenção
  • O trabalho não é prioritário: a saúde é.
  • O tempo que passamos juntos é o melhor da vida.

Quando o João fez um ano lembro-me de pensar que se tinham passado 365 rotações da Terra e uma volta completa ao sol. De pensar como somos tão pequeninos no Universo, tão insignificantes, e mesmo assim, não trocava a nossa existência por nada.

Ele continua a abraçar-me como se se lembrasse de ser parte do meu corpo, perto, muito e apertado, como se me quisesse assimilar ou como se nunca tivesse deixado de ser um só comigo.

Olha-me como se conseguisse ver-me a alma no fundo dos olhos e isso o fascinasse. Antes de saber dizer mamã, chamava-me com todos os sons que conseguia fazer e eu sabia sempre quando era para mim.

Ainda somos muito simbióticos, mas começa a tornar-se mais independente e é tão bonito! Bate palminhas, faz brum-brum com a mão na boca, palra imenso “ba ba ba bah! ma ma ma mah! Dá! Na na na na nããããã! Olá! Dali! Miró! Que lim! Anda! Gatinh!” Recentemente começou a dizer perfeitamente “carro!”, que rapidamente se tornou na sua palavra preferida. Gosta de discutir várias coisas connosco, nomeadamente “reme reme reme renhe? Reme reme renhe hah!”. Imita-nos a falar ao telemóvel e tem grandes conversas com os seus amigos imaginários que parecem todos muito divertidos a contar pelo que ele se ri. 

O João é feliz e não precisa de mais do que existir e estar com as pessoas que o amam e que ele ama para isso. 

Para mim, talvez seja essa a maior lição do João.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s