[um ano a celebrar] Primeiras impressões

A minha ideia em fazer este desafio foi de tentar estar mais presente, mais “mindfull” do ano 2020 e do passar do tempo. Eu achava que era um desafio cheio de alegria, sim, mas pessoal, de mim para mim. Rapidamente percebi que este desafio é na realidade mais sobre partilhar alegria e encontrar formas de estar com os outros do que observar o tempo. Porque os momentos de festa só fazem sentido com as pessoas que amamos!…

A inspiração para este desafio de um ano a celebrar surgiu do Natal: apesar de ser uma época especial sinto sempre que deixo tudo para a última e acabo por não celebrar adequadamente.

Há pelo menos dois anos que me ocorreu esta ideia e até cheguei a procurar online um livro sobre as diferentes celebrações ao longo do ano e como as assinalar, mas nunca cheguei a fruição dessa ideia… Até agora.

Este ano a ideia começou com os postais de aniversário: usei o facebook e a memória para fazer uma lista dos aniversários de cada mês e depois de preparar a primeira remessa, naturalmente ocorreu-me que queria celebrar mais coisas. E assim fui ver as datas das festividades mais assinaláveis (e que é completamente subjetiva!).

Preparar as celebrações e celebrar- seja de que forma for, é um ato de festa em si mesmo. Escolher o menu, presentes, atividades, reunir as pessoas é sonhar – o que, como todos sabemos, comanda a vida.

 

Além disso, em dezembro de 2019 as enormes mudanças que tive na minha vida ao longo do ano começaram a bater-me forte: intensificaram-se as saudades dos meus amigos, da minha família, dos meus sítios, dos meus projetos profissionais, das minhas equipas. Comecei a sentir-me triste com frequência, a questionar as minhas decisões de vida.

Com este projeto aconteceu uma coisa que já me tinha sucedido no passado: o foco na dádiva, no fazer pelos outros e para os outros é um bálsamo brutal para qualquer problema existencial.

Dou por mim nas viagens de metro ou quando deixo a mente vaguear a pensar nas coisas que vou fazer para celebrar esta ou aquela efeméride, como posso fazer esta ou aquela pessoa feliz, quem poderei convidar para este ou aquele momento (a nossa casa é pequena e não conseguimos receber muita gente).

Até agora já celebramos (lá em casa): dia de reis, aniversários, dia de são Valentim, Carnaval, dia das panquecas (e acho que me estou a esquecer de mais qualquer coisa).

Frequentemente acabo por fazer muito menos do que tinha pensado, mas ter as ocasiões em mente permite-me assinalar as datas e manter maior consciência sobre o que se comemora (e só celebramos o que vale a pena, logo, estamos mais conscientes daquilo que vale a pena ;)).

Acho que há uma outra questão aqui que tem que ver com a gestão de energias: não dá para celebrar tudo e tenho-me apercebido que antes comemorar pouco e bem do que assinalar todas as datas e ficar sem energia nenhuma.

Para mim as palavras-chave deste desafio têm sido:

  • alegria
  • amor
  • dádiva
  • consciência
  • ubuntu/togetherness (não sei se existe tradução para isto em Português)

Estou a gostar imenso!

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s